top of page

'J-Hope não está limitado a coisas brilhantes': A estrela do BTS detalha sua estreia solo completa


J-Hope entra no processo de Jack in the Box, recebendo apoio de seus colegas membros do BTS e mostrando seu lado mais sombrio.


RM, Jin, Suga, J-Hope, Jimin, V e Jung Kook estão oficialmente juntos como BTS desde 2013, trabalhando incansavelmente enquanto se tornam a maior banda do mundo. O grupo anunciou recentemente que estaria embarcando em um novo capítulo juntos, que, por enquanto, enfatiza as atividades solo. Embora os membros individuais tenham lançado mixtapes ou singles no passado, nenhum deles lançou oficialmente um álbum solo completo – até agora.


À primeira vista, J-Hope pode parecer o membro mais alegre e otimista do BTS, com um grande sorriso perpetuamente no rosto. Mas há muito mais do que aparenta. Ele é o dançarino principal do grupo, mas também está envolvido no processo criativo de todos os álbuns do BTS. Ele coloca extremo cuidado em seu ofício e não tem medo de experimentar.


Com seu novo álbum, Jack in the Box, J-Hope – nascido Jung Hoseok – se torna introspectivo, mostrando um lado mais sombrio de sua personalidade, sem mencionar o quão multidimensional ele é. Com “More”, o single de pré-lançamento de rock/hip-hop do álbum, ele surpreendeu o público e até o colega de banda RM com sua abordagem. (O título do álbum é uma brincadeira com a caixa de Pandora, que também inspirou seu nome artístico.)


Conversando com a Rolling Stone em coreano, pelo Zoom, o jovem de 28 anos mergulhou no processo criativo e no que Jack in the Box significa para ele e sua identidade.


O mundo inteiro está prestes a ouvir Jack in the Box. Como você está se sentindo?


JH: É meio nervosismo, meio excitação. Como sou o primeiro a seguir carreira solo, sinto um senso de responsabilidade e definitivamente há alguma pressão também. Jack in the Box é preenchido apenas com coisas que eu pessoalmente queria fazer, quase ao ponto de me preocupar comigo mesmo: “Eu me concentrei muito apenas no que eu queria fazer?” [Risos.] Acho que é daí que vem o meio nervosismo. Este álbum é realmente significativo para mim e, principalmente, me sinto orgulhoso e animado por ser lançado.


Embora os membros do BTS tenham lançado mixtapes e singles no passado, você é o primeiro a lançar um álbum solo completo. Como surgiu essa decisão?


JH: Em vez de pensar em uma ordem de quem lançaria primeiro, enquanto promovia como BTS, continuei me perguntando: “Que tipo de música posso fazer como J-Hope do BTS?” Estou sempre me fazendo essa pergunta, constantemente chegando a um plano. Acho que ao fazer isso, naturalmente, minha mixtape [2018] Hope World saiu… e ao refletir mais, percebi que queria mostrar mais dança, o que você pode considerar como minha base principal. Isso levou à criação do [single solo de 2019] “Chicken Noodle Soup”, que apresenta mais disso. Comecei a pensar que J-Hope precisava mostrar mais sinceridade na música, e foi nisso que me concentrei ao abordar Jack in the Box. Acho que em termos de tempo, acabei me tornando o primeiro porque estava constantemente me preparando. Eu não abordei o projeto com o desejo de ser o primeiro em mente.


Há quanto tempo Jack in the Box está em produção? Você mencionou no passado que você sempre tem um plano, e em um recente V Live, você confirmou que a arte da versão completa de “Blue Side” do ano passado era um spoiler para este álbum, com o jack-in-the-box —a ilustração da caixa e as palavras “caixa de Pandora”.


JH: O conceito de jack-in-the-box está fortemente ligado ao meu nome artístico, então acho que sempre tive a ideia no meu bolso de trás. Eu sempre senti a necessidade de desvendar músicas ligadas ao jack in the box tematicamente por um longo tempo. A caixa de Pandora também é uma analogia para o meu nome. “Quando posso liberar isso? Quando posso fazer um álbum que inclua esses elementos?” Essas perguntas sempre estiveram na minha cabeça. Eu queria incluir spoilers desses temas na arte de “Blue Side”, e enquanto discutia com o artista por trás do trabalho, afirmei claramente que queria esses elementos incluídos. Foi assim que minha abordagem foi sistemática enquanto preparava o álbum e suas faixas.


Você mostrou lados mais sombrios para si mesmo em faixas como “1Verse”, de 2015. Mesmo com Hope World, embora visualmente possa parecer colorido, as letras mostram profundidade. Como você decidiu ficar visualmente mais sombrio e pesado com “More” e o álbum completo?


JH: Primeiro, como você conhece “1verse”? [Risos.]

Eu acho que é isso: sendo parte do BTS por 10 anos, eu experimentei muito. Desse ponto de vista, é claro que há histórias que quero contar, e percebi que poderia ser difícil contar algumas dessas histórias através da música com a imagem e a vibração existentes de J-Hope. Senti a necessidade de mostrar alguns dos meus aspectos mais sombrios… e acho que realmente queria fazer algo assim. Eu queria que as pessoas percebessem que J-Hope não se limita a coisas brilhantes. Ele pode fazer esses conceitos e tem um amplo espectro. Eu queria chamar a atenção para essa habilidade me desafiando. Não pensei muito no futuro.

Apenas totalmente focado no que eu queria fazer, o que eu queria expressar, o que eu queria mostrar. Esse foi o foco, e Jack in the Box tem esses elementos brutos. Quando este álbum é “aberto”, fico um pouco preocupado porque contém apenas o que eu queria fazer. [Sorri.] Estou muito curioso para saber como as pessoas vão reagir. Mas o que eu realmente quero dizer é que o álbum está cheio de minha alma e minha sinceridade. Dessa forma, é um álbum único, e o álbum é muito significativo porque, em termos de musicalidade, funcionará como um trampolim para o J-Hope seguir em frente.


Com as batidas, você está usando mais aquele som de hip-hop da velha guarda como base; “What If…” até sampleia “Shimmy Shimmy Ya” do Ol’ Dirty Bastard. O que fez você querer levar o álbum nessa direção?


JH: Quando você ouvir a música, você saberá, mas esse som é minha base fundamental. A música que eu ouvia dançando [ele dança], a vibe que eu tinha... é isso que eu expresso na música, e isso foi incluído no Jack in the Box, voltando ao que eu queria fazer, do que eu sou capaz de, como minha base. Acho que com isso, tornou-se mais sincero, mais ao estilo J-Hope, enquanto visualmente sou capaz de mostrar algo muito diferente. Eu acho que o álbum contém elementos que são divertidos e envolventes visualmente e auditivamente. Eu acho que para os fãs, definitivamente há elementos que eles acharão muito parecidos com J-Hope.

Quando “More” saiu, algumas pessoas ficaram chocadas. “J-Hope? J-Hope está fazendo música assim? Rock? Emo? Hip-hop? Emo-rock?” Mas acho que se você ouvir o álbum, começará a perceber que há uma razão clara pela qual J-Hope escolheu uma música como essa, por que ele escolheu essa faixa, por que escolheu essa linha.


Jack in the Box apresenta duas faixas-título, “More” e “Arson”. [Na indústria da música coreana, “faixa título” é frequentemente usada para descrever a faixa principal de um álbum, independentemente de a faixa compartilhar um título com o álbum.] Você mencionou que ficou surpreso quando “More” foi escolhido como um deles. Como vocês decidiram que “Arson” seria a segunda faixa-título?


JH: Assim que ouvi, senti que era para ser. Eu coloquei tudo que posso transmitir e a maior parte da minha... minha energia nessa música. Eu a escolhi porque senti que o estilo da música mostra o zênite das emoções de J-Hope. “Arson” é uma música que parece um ponto de virada e uma encruzilhada. Tem o fogo, a paixão que eu queria que este álbum possuísse. A música também é a última da lista de faixas. Uma das razões para isso é que descobri que essa música empacota bem meus pensamentos por trás do motivo pelo qual criei este álbum. A faixa funciona como um ponto no final de uma frase e claramente esclarece o que eu queria expressar com este álbum.


Você compartilhou que os membros do BTS estavam todos com você quando “More” foi lançado. Os membros ouviram o álbum completo? Eles têm algum favorito?


JH: A primeira pessoa com quem compartilhei o álbum… é sempre o mesmo para mim. Eu sempre compartilho com RM primeiro. Eu também poderia ter compartilhado com Suga, mas ele gosta de ser muito respeitoso com o processo. Ele me disse: “Eu vou ouvir quando sair”. Ele sempre me diz isso. Há um pouco de choque e motivação que vem depois de ouvir isso. “Quando for lançado, vou procurá-lo e ouvi-lo então.” Então eu deixei RM ouvir primeiro… e depois disso foi Jung Kook. Para os outros membros, mostrei a eles as músicas-título, mas não o álbum completo.

Quando RM ouviu o álbum, ele disse: “Uau, eu não achei que você faria música assim. Eu tenho um pouco de um congelamento cerebral.” [Sorri.] “E é tão você. O fato de você ter trazido essa música neste momento… Eu realmente o respeito e amo que seja tão você.” Ele me deu esse feedback.

Para Jung Kook, foi muito engraçado. Depois de ouvir o álbum, ele de repente foi para seu estúdio. [Risos]. Acho que ele sentiu a motivação para começar. Eu amo que um dos nossos maiores motivadores é o outro. Eu mesmo sou assim. Quando um dos meus membros está fazendo um certo tipo de música ou trabalhando em um álbum, eu vejo sua individualidade e cor, e penso comigo mesmo: “Eu também tenho minha própria cor. Eu quero revelar o meu também.” Nós nos influenciamos positivamente e somos bons motivadores uns para os outros.

Quando “More” saiu, estávamos todos juntos no trabalho. [Sorrisos.] Eles ficaram muito surpresos com a forte direção visual, que J-Hope fez esse tipo de música... Eles ficaram surpresos.


E claro, parabéns pelo Lollapalooza. Você é o primeiro artista sul-coreano a encabeçar um grande festival dos EUA, o que é uma grande notícia! Como você reagiu quando soube disso?


JH: É uma grande honra ser convidado para um festival tão grande e ser uma atração principal também. Se você já ouviu “More” e quando ouvir Jack in the Box, perceberá claramente por que eu disse OK para o Lollapalooza e escolhi participar. Eu realmente quero mostrar minha musicalidade, e queria mostrar o show ao vivo de J-Hope para um grande público. Enquanto pratico, estou acostumado a me apresentar como J-Hope do BTS, um dos sete. Agora que estou tentando preencher um setlist de uma hora sozinho, estou percebendo que é difícil. [Sorri.] Eu sinto a necessidade de realmente focar e ser detalhista enquanto checo as coisas. Esse é o espaço em que estou enquanto me preparo nos dias de hoje.

Pode parecer arrogante ou como um desafio imprudente, mas mesmo isso, depende apenas de como você deseja percebê-lo. Há muito o que aprender e estou enfrentando o desafio. Eu adoraria dar alguns spoilers, mas acho que seria melhor estar lá pessoalmente para ver. Vou mostrar a musicalidade do jeito que fiz com Jack in the Box, mas não só isso, também haverá elementos da imagem de J-Hope expressados… Esse é o meu spoiler não tão spoiler.


Você disse que aprende algo novo e amadurece a cada álbum. O que você aprendeu com Jack in the Box?


JH: Acho que é um pouco cedo para dizer. Eu gosto de ouvi-lo constantemente. Quando algo sai, eu gosto de ouvi-lo de forma consistente e coletar feedback de forma constante. Com este álbum, pedi feedback a muitas pessoas. Há muitas coisas que começo a perceber ao receber o feedback. Estou fazendo uma listening party com artistas e pessoas da indústria para curtir a música juntos. Uma das razões para isso é mostrar a eles “J-Hope está fazendo esse tipo de música. O que você acha disso?" Para obter esse feedback e aceitá-lo, e para melhorar.

Acho que, neste momento, é muito cedo para dizer o que aprendi. Acho que no final de julho ou talvez no início de agosto, terei uma visão mais clara de quais são os meus aprendizados. Este é agora o começo. Este é o começo de tudo o que eu queria me desafiar e mostrar com Jack in the Box, então acho que daqui para frente, haverá mais para eu processar.



Tradução Alinny Miranda

796 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page