top of page

"RM, Superstar de Boy Band, Abraça o Novo Papel: Patrono da Arte."


O líder do BTS tem defendido artistas canônicos de sua nativa Coreia do Sul – estudando seu trabalho, comprando-o e às vezes conversando com ele. “Eu sinto que eles estão me observando”, disse ele.


SEUL – RM, o líder do grupo pop sul-coreano BTS, visitou pela primeira vez o Grand Central Terminal em Manhattan para se apresentar no “Tonight Show” de Jimmy Fallon. Era o início de 2020, antes do lockdown do coronavírus, e no meio da noite, acompanhado por uma equipe de dança considerável, os sete membros do BTS fizeram uma exibição estridente para seu single “ON” no salão vazio.


No final do ano passado, RM voltou como civil. “Foi muito estranho estar no Grand Central pela segunda vez com tantas pessoas”, ele me disse em uma tarde recente, sentado na sede da Hybe em Seul, a empresa de entretenimento por trás da boy band. Desta vez, ele disse: “Fui com meus amigos e sou apenas um visitante comprando ingressos”. Eles pularam a bordo de um trem Metro-Norte com destino a Dia Beacon, a arte minimalista Xanadu no Vale do Hudson. “É uma utopia”, disse. Uma sala é dedicada ao seu artista favorito, On Kawara, que passou sua carreira fazendo pinturas austeras de cores escuras que trazem a data de sua criação em texto branco.


Dia foi a última parada em uma longa jornada artística em que RM, 27 anos, esteve nos últimos anos, enquanto construía uma coleção de arte e pensava em abrir um espaço de arte. Os fãs fervorosos do BTS (que se autodenominam Army) usaram suas postagens nas mídias sociais e reportagens da imprensa para segui-lo, aumentando a participação nos lugares que ele visita. A veterana distribuidora Park Kyung-mee credita ao cantor e rapper o fato de tornar a arte mais acessível ao público em geral. “Ele está jogando fora o tipo de barreira entre as instituições de arte – galerias e museus – e os jovens”, disse ela em entrevista em sua galeria, PKM, em Seul.





RM também vem abraçando o papel de apoiador da arte, emprestando uma escultura de terracota de um cavalo do artista coreano Kwon Jin-kyu para uma retrospectiva do Museu de Arte de Seul que decorreu até maio e, em 2020, doou 100 milhões de won (cerca de US $ 84.000 em época) ao Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea (MMCA) para que este pudesse reeditar livros de arte esgotados e distribuí-los às bibliotecas. Arts Council Korea, um órgão afiliado ao governo, posteriormente o nomeou como Art Sponsor of the Year. “Estamos muito felizes que RM, que tem uma alta influência global, seja um amante da arte”, disse o diretor do MMCA, Youn Bummo, em um e-mail.


Essa influência global tem alcance quase insondável. O canal do BTS no YouTube tem mais de 70 milhões de assinantes (outro ato de K-pop, Blackpink, é o único artista com mais), e o Instagram do RM sozinho tem 37 milhões de seguidores. (O MMCA tem 200.000.) Um vlog de 35 minutos que ele gravou sobre sua visita à feira Art Basel na Suíça no verão passado acumulou quase 6 milhões de visualizações. Para o mundo insular e impenetrável, ele pode ser um embaixador dos sonhos.


O que torna notável que sua paixão pela arte visual tenha surgido através de “serendipidade, mais de um encontro acidental”, disse RM, cujo nome de batismo é Kim Namjun. (Ele adotou o nome artístico formalmente em 2017 para substituir o apelido de Rap Monster.) Ele cresceu perto de Seul, e seus pais “me levavam a museus, mas acho que não gostei muito”, disse ele. Sentado em seu quarto de hotel durante uma turnê em 2018, decidindo o que fazer durante algum tempo de inatividade, RM optou por se aventurar no Instituto de Arte de Chicago. Pinturas de Seurat e Monet o cativaram. “Era quase como a síndrome de Stendhal”, disse ele, referindo-se à condição em que a arte induz sintomas físicos em um espectador, como tontura ou batimentos cardíacos acelerados. Foi um choque ver obras que ele conhecia de reproduções pessoalmente. “Foi tipo: uau. Eu estava olhando para essas peças de arte e foi uma experiência incrível.”


Sempre que o assunto se voltava para a arte, o já enérgico músico ficava especialmente animado; ele estava com um intérprete, mas geralmente mudava para o inglês (ele é muito fluente, e disse que aprendeu assistindo “Friends”). “Eu parei de estudar quando tinha 17 anos por causa dessa coisa do BTS, porque eu era um trainee”, disse ele, listando toda a prática que envolvia. “Mas depois de 10 anos, conheci a arte e comecei a ler os livros novamente – sério.” Ele é carismático e de estudo rápido, e você pode imaginá-lo como um político eficaz ou um professor amado e um pouco excêntrico.






Desde cedo, RM colecionava: selos, moedas, cartas Pokémon, pedras raras (“não caras”) e depois figuras de brinquedo. Um grande KAWS “Companion” está em seu estúdio de gravação cheio de arte em Hybe, mas grande parte de sua arte é mais antiga. Uma mesa de George Nakashima segura sua estação de trabalho de computador, que tem uma pintura abstrata sobressalente de Yun Hyong-keun – apenas três massas luminosas de tinta – pairando atrás dela. Uma parede está pendurada com mais de 20 obras, muitas de artistas coreanos importantes do século 20, como Park Soo Keun, Chang Ucchin e Nam June Paik.




A turnê no exterior destacou para o RM que “minhas raízes estão na Coréia”, disse ele, e concentrou sua coleção em artistas de casa, particularmente das gerações que viveram a Guerra da Coréia, ditadura militar e imensa precariedade econômica. Esses artistas permanecem muito pouco conhecidos fora de seu país. (Outros ídolos preferiram artistas de primeira linha bem reconhecidos, os negociantes me disseram.) “Consegui sentir seu tipo de suor e sangue”, disse RM, referindo-se a eles como “seres humanos que estavam tentando apresentar suas obras de arte ao mundo”.




O líder do BTS aparece como uma alma antiga. Solicitado a definir seu gosto, ele mencionou ser atraído por arte sobre “eternidade, e isso vem por causa dessa aura rápida e agitada dessa indústria do K-pop”. Seu interesse está no passado, mas ele vem tentando aprender sobre arte mais recente. (Sua música solo, em contraste gritante, tem uma textura revigorante do momento, até mesmo experimental). Ele postou de um show de verão no espaço N/A organizado pelo galerista emergente Dooyong Ro, que disse que alguns supunham que a estrela havia comprado o trabalho fotografado em seu post. Só que não. Ainda assim, o post de RM atraiu visitantes, mesmo sem identificar o local pelo nome, e o sempre assíduo Army encontrou o Instagram do

próprio espaço de Ro, o Cylinder, disse ele. “Como eles souberam disso?”



Cercado pelo trabalho de grandes nomes falecidos, “sinto que eles estão me observando”, disse RM. “Estou motivado. Eu quero ser uma pessoa melhor, um adulto melhor, porque há essa aura que vem dessas obras de arte em exibição.” Quando ele está se sentindo “cansado ou decepcionado, às vezes eu fico lá e converso” com eles, disse ele. Parado na frente de uma pintura sobressalente de Yun, ele pode perguntar: “Sr. Yun, vai ficar tudo bem, certo?”


RM está pensando em seu futuro. O serviço militar obrigatório está no horizonte. (Os membros da banda estão gastando tempo em projetos solo agora, embora sua gravadora tenha sido enfática que o BTS não está em hiato). Alguns meses atrás, RM disse a Marc Spiegler, diretor global da Art Basel, no podcast da feira, que ele estava pensando em abrir um espaço de arte de algum tipo. “Quero que seja bem quieto e calmo, mas ainda deve parecer legal, como Axel”, ele me disse, citando o designer, antiquário e galerista belga Axel Vervoordt (também um favorito de uma das inspirações musicais de RM, Kanye West).


Esse espaço ainda está longe, mas RM imagina um café no térreo e áreas de exposição acima mostrando artistas coreanos e internacionais de maneiras que atraem os jovens. “Acho que há algo que posso oferecer como um outsider da indústria da arte”, disse ele.


Ele pode ser capaz de reivindicar o status de estranho apenas por algum tempo. Recentemente, ele adicionou um dos cilindros de vidro fundido de Roni Horn – em um branco espectral e semitranslúcido – à sua coleção e está se tornando reconhecido como um especialista em arte. A Sra. Park, a negociante estabelecida de Seul, disse que encontrou textos sobre Yun que sua galeria não tinha em seus arquivos. (Ela representa o espólio de Yun e se tornou Army alguns anos atrás, antes de conhecer RM. “Comecei a estudá-los pelo YouTube”, disse ela. “Há muito conteúdo. Realmente requer muito, muito tempo para dominar”).


Yun teve uma vida angustiante, como RM me contou. Preso quatro vezes por motivos políticos, ele escapou por pouco da execução em uma ocasião. Aos 40 anos, ele começou a fazer pinturas meditativas espalhando grandes faixas de tinta umber e azul diluídas em linho ou tela. “É um tipo completo de combinação de estilos ocidentais e orientais, asiáticos ou coreanos”, disse RM.


Ele tem uma época favorita do trabalho do artista? “Comecei a gostar muito de seus trabalhos dos anos 70, suas pinturas, mas agora estou tão afim dele, seu mundo, sua arte, que amo tudo. Não sou mais objetivo”, disse RM. “Isso é o que chamamos de fã.”



Tradução Alinny Miranda

578 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page